Capítulo 2 – A primeira batalha

CAPÍTULO II: A Primeira Batalha

Fazia um dia quente e seco, e a areia do deserto parecia drenar toda e

qualquer umidade que pudesse haver. Ao longe, duas figuras envoltas em

mantos negros se aproximavam de uma formação rochosa. Entretanto, estas

duas figuras não tinham conhecimento de que eram observados de longe por

dois jovens trajando reluzentes armaduras prateadas, que se encontravam no

alto de uma colina, ocultados por grossas colunas em ruínas, em um lugar

onde, provavelmente, deveria ter existido um templo. Um deles, que tinha

loiros cabelos curtos, e olhos de um verde intenso, estava vivamente

interessado no que acontecia ao longe, e mantinha um olhar vidrado nos vultos

lá embaixo. O outro jovem, de cabelos prateados e longos, mirava-os com um

olhar aparentemente frio e desinteressado, mas havia um brilho intenso e

profundo nos seus olhos negros, como se estudasse tudo o que era feito por

eles. Secando o suor com as costas da mão, o rapaz loiro se dirige ao outro,

com uma voz jovial e um tanto empolgada.

– Vamos descer lá embaixo, Izzak. São apenas dois, e nós somos dois

também. Pelo que me lembro do que o Grande Mestre disse, um deles é um

velho, e o outro é uma mulher. O que você me diz?

– Em primeiro lugar, Komodo – disse Izzak em tom calmo, sua voz grave

conferindo a suas palavras um ar de censura – se você descer, logicamente

será para baixo. Em segundo lugar, mas não menos importante, você deve

se lembrar, também, que o Grande Mestre deu ordens explícitas para que

aguardássemos até que o velho fosse morto por ela. Eu lhe pergunto, Komodo

de Lagarto: será que você vai querer desobedecer às ordens do Grande

Mestre? Acho que ele não iria ficar contente com isso. Aliás, acho que ele

ficaria enfurecido com você.

O suor pareceu afluir com maior intensidade do rosto de Komodo. A

simples menção de poder causar a fúria do líder do Santuário era algo

amedrontador. Todos sabiam que o velho Grande Mestre tinha a fama de ser

uma pessoa muito sábia, calma e gentil, mas ele também era famoso por mais

duas coisas. A primeira delas era o fato de ele ser o mais poderoso Cavaleiro

de Atena há centenas de anos. A segunda delas, e a mais surpreendente, é

que ele era extremamente velho: tinha bem mais de 1000 anos.

Ninguém sabe ao certo como isso era possível, mas sabia-se que ele

era o Grande Mestre do Santuário de Atena há pelo menos 13 séculos, e já

havia participado de mais de 5 Guerras Santas. Isso fazia dele um homem

extremamente temido e respeitado, e mesmo já fazendo mais de 200 anos que

ele não entrava em combate, o nome Girtab de Escorpião (ou Girtab, o

Escorpião Imortal, como ele também era chamado) era suficiente para causar

apreensão e medo em todos os adversários de Atena. Desse modo, era

perfeitamente compreensível o medo que Komodo sentia em causar fúria no

Grande Mestre.

– De… de modo algum, Izzak – gaguejou o Cavaleiro de Lagarto. – Eu jamais

iria desobedecer a uma ordem dele. As ordens do Grande Mestre são as

ordens de Atena, e desobedecer a ele significa desobedecer a Ela.

– Então se acalme e espere.

***

Enquanto isso, no Santuário, um Cavaleiro corria desabalado em

direção as 12 Casas Zodiacais. Ele entra correndo na primeira Casa, a Casa

de Áries, mas rapidamente é projetado com força para fora dela. Ao levantar-

se do chão, ele olha para a entrada do Templo de Áries, e vê uma enorme e

imponente figura dourada parada entre as colunas. Seus fortes braços

estavam ocultos atrás do tronco, sua grande capa branca cobria-lhe os largos

ombros, e um elmo com dois pontiagudos chifres dourados cingiam-lhe a

fronte. Sua voz, grave e retumbante como um trovão, ressoou na morada às

suas costas.

– Como ousa entrar de forma tão atrevida na Casa de Áries, Cavaleiro de Altar?

O Cavaleiro que havia se levantado faz uma breve e respeitosa

reverência. A diferença de altura entre ambos chegava a ser cômica, pois o

Cavaleiro de Touro tinha praticamente a altura de dois homens.

– Peço perdão pela forma como entrei, Gerion, mas é que eu tenho uma

mensagem urgente para o Mestre.

– Não me interessa, Sacros. Regras são regras, e você deveria obedecê-las de

forma exemplar, já que é o braço direito do Grande Mestre.

– Sim, sim Gerion, você está certo. Agora…o que você está fazendo fora da

Casa de Touro? Onde está Frixo?

– Embora eu não lhe deva satisfações, vou lhe dizer onde ele está: ele foi atrás

dos Cavaleiros de Triângulo e Lagarto. Eles foram enviados em uma missão,

mas o Grande Mestre sabia que ela poderia ser muito arriscada, então mandou

o Cavaleiro de Áries em segredo, para vigiá-los e salvá-los caso entrem em um

perigo muito grande.

– Mas…

– Você está perdendo muito tempo aqui fora, Sacros – interrompeu-o Gerion.

Se não me engano, você estava com pressa, não?

Sacros não respondeu, apenas assentiu rapidamente com a cabeça, e

já saiu em disparada, passando como uma lufada de vento pelo gigantesco

Cavaleiro de Touro. Ele passou sem problemas pelas demais Casas Zodiacais,

mas não cruzou com nenhum Cavaleiro de Ouro pelo caminho. Ao chegar no

Salão do Grande Mestre, o líder do Santuário parecia estar esperando-o.

– Seja bem-vindo de volta, Sacros de Altar. Você voltou muito mais rápido do

que eu esperava. Teve algum contratempo?

– Não, Mestre – respondeu Sacros, prostrando-se de joelhos. Na realidade, tive

uma sorte muito grande. Encontrei-o antes de chegar à Roma. Pelo que ele me

disse, um de seus homens também teve uma visão igual a sua, e assim que

ele foi informado disso, ele resolveu se dirigir até o Santuário. Dentro de alguns

dias ele deve estar chegando.

– Excelente, Sacros. É de fundamental importância que Giovanni venha até o

Santuário.

– Perdão, Grande Mestre, mas quem é Giovanni?

– Giovanni é o homem que você foi procurar, Sacros, embora agora ele seja o
Papa dos cristãos e tenha adotado o nome Inocêncio VIII.

– Ah, perdão pela minha ignorância, senhor. Agora, se me permite uma

pergunta, Mestre, o senhor poderia me explicar porque mandou Cavaleiros de

Prata em uma missão tão arriscada que foi necessário enviar Frixo de Áries

como reforço em segredo?

– Claro que lhe perdôo e lhe permito a pergunta, Sacros – respondeu o Grande

Mestre em um tom casual -, mas será que você me perdoa se eu me negar a

lhe responder?

O Cavaleiro de Altar ficou desconsertado, e apenas balançou a cabeça

em sinal de concordância. Em seguida, ele se levantou e se retirou, enquanto

pensava em qual seria o motivo do Grande Mestre estar tomando tais medidas.

***

Kuuki no Ugyoheki! (Parede de Defesa)

Uma parede invisível, formada pela pressão do ar, projetou-se das mãos

do Cavaleiro de Lagarto, impedindo que lâminas extremamente afiadas

rasgassem sua pele.

– Essa sua defesa ridícula não vai funcionar se eu o atacar de verdade –

zombou Astarte. Se este é o poder dos Cavaleiros do Santuário de Atena,

então eu não devia estar preocupada. Um possui uma ridícula técnica

defensiva, e o outro sequer resolveu lutar. Acaso tens medo, rapaz?

Ela se referia a Izzak, o Cavaleiro de Triângulo, que apenas observava a

luta.

– Os Cavaleiros de Atena não lutam de forma covarde – disse Izzak -, e dois

contra um é uma grande covardia. Agora, se Komodo fizer a gentileza de se

retirar do combate, eu poderei lutar com você.

– Ora, ora, que rapaz honrado. Se pretendes lutar sozinho comigo, acho que

seria mais prudente eliminar o empecilho.

Lunar Blades! (Lâminas Lunares)

– Komodo, cuidado!

Mas já era tarde demais. Centenas de flashes de luz prateada, no

formato de semi-círculos, saíram a uma surpreendente velocidade das mãos

de Astarte, e dilaceraram o corpo do Cavaleiro de Lagarto antes que ele

pudesse utilizar sua técnica defensiva. Sangrando muito, e com uma

expressão de horror no rosto, o jovem Komodo caiu inerte no chão, criando

uma grande poça de lama avermelhada a sua volta.

– Agora somos só nós dois, rapaz.

Izzak, embora chocado com o que acabara de presenciar, rapidamente

retomou a calma, e seu tom de voz era quase indiferente quando se dirigiu a

mulher a sua frente.

– Espero que você possua outras técnicas, por que isso não funcionará comigo.

Prepare-se para enfrentar Izzak, o Cavaleiro de Prata da Constelação de

Triângulo.

Izzak ergueu as duas mãos, deixando levantados apenas os polegares e

os indicadores. Em seguida, ele juntou-os de modo que eles formaram um

triângulo, de onde começou a emanar uma grande quantidade de cosmo

energia.

Triangula Sigillum! (Selo dos Triângulos)

Um enorme triângulo se formou sob os pés de Astarte, e ela não

conseguiu se mover. Sua aflição era visível.

– Maldito! Como um reles mortal como você ousa prender uma deusa como

eu?! Assim que eu me libertar, irei fazê-lo sofrer muito antes da morte.

– Sinto muito, mas não tenho a mínima intenção de permitir que você se liberte.

Agora, é você quem irá morrer, e se arrependerá do que fez a Komodo.

O Cavaleiro de Triângulo flexionou seus braços na altura do peito, de

forma a fechar um triângulo com seus braços e seu tórax.

Hastam Argenteam! (Lança de Prata)

Uma fina e prateada rajada cósmica projetou-se da ponta de seus

dedos, e rumou em direção ao peito de Astarte. Porém, algo impediu que ela

fosse atingida. Uma poderosa aura escura havia se formado ao redor do corpo

dela, e havia uma crescente e tenebrosa cosmo-energia irradiando de um local

próximo a eles. Uma rajada de energia negra atingiu Izzak no peito,

derrubando-o no chão.

Astarte começou a rir, enquanto uma figura alta e envolta em escuridão

começou a se materializar. Mais uma rajada de energia se projetou contra

Izzak, mas de alguma forma estranha, ela não o atingiu. Parado a frente dele,

com os braços estendidos, havia alguém trajando uma armadura dourada.

Seus cabelos longos e ruivos eram jogados para trás por causa do vento, e

embora ele estivesse de costas, Izzak sabia quem era ele.

– Obrigado, Frixo. Acho que se não fosse a sua intervenção, eu estaria morto

agora. Mas me diga, o que está fazendo fora da Casa de Áries?

– Não é o momento adequado para conversarmos, Izzak – respondeu o ariano.

Seria mais prudente se você voltasse ao Santuário, e informasse ao Mestre

que ele foi liberto.

– Ele quem, Frixo?

– Baal, o Comandante dos Exércitos de Lúcifer. Você é forte, Izzak, mas não

tem a mínima chance contra ele. Saia daqui agora, e deixe essa batalha para

mim.

Uma sinistra gargalhada ressoou em meio ao deserto, e mesmo com o

forte calor que fazia, Izzak sentiu um frio arrepio na espinha.

E quem és tu – falou em tom gutural a forma enegrecida que se formava ao

lado de Astarte -, que se julga páreo para o grande Baal?

– Eu sou Frixo de Áries – respondeu o rapaz ruivo, seus olhos castanhos

faiscando -, e fui enviado por um velho conhecido seu.

– E quem seria este meu conhecido?

– Nada mais nada menos do que Girtab, o Escorpião Imortal, e atual Grande

Mestre do Santuário.

– Girtab? Girtab de Escorpião ainda está vivo? Se isso é verdade, então o

avise de que nós nos encontraremos muito em breve, e que é somente pelo

vislumbre desse encontro que eu permito que vocês vivam mais um pouco.

Partam, e avisem-no de que temos velhas pendências a acertar.

Dizendo isso, uma forte tempestade de areia se formou rapidamente, e

quando ela cessou, nem Baal e nem Astarte estavam mais lá.

– Bem, essa foi por pouco. Vamos embora Izzak, o Grande Mestre quer falar

com você. Recolha o corpo de Komodo, pois ele deve ser sepultado. Por

que será que o Mestre arriscou a vida de vocês dois em uma batalha sem

perspectivas de vitória?

Izzak não disse nada. Apenas recolheu o corpo do companheiro e

desapareceu de lá junto com o Cavaleiro de Áries. A primeira de muitas

batalhas havia acontecido, e o Santuário havia sofrido a primeira derrota e a

primeira baixa em seu exército. Quantos mais ainda irão morrer?

 

Uma resposta para Capítulo 2 – A primeira batalha

  1. nono ano D disse:

    cara posso criar uma fanfc baseada na sua

Deixe uma resposta

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s